Viajando pelo amazonas para ensinar gastronomia aos militares brasileiros

Soldados e cabos do 2ª Brigada de Infantaria de Selva, BIS e Grupamento de Engenharia

O Chef Marco À Souza recebeu o convite da 2ª Brigada de Infantaria de Selva de São Gabriel da Cachoeira para realizar um conjunto de cursos com o objetivo de melhorar os serviços de gastronomia e  atendimento dessa Brigada. Após alguns ajustes quanto ao calendário, devido as aulas e consultorias realizadas pelo Chef na capital do Estado, o “desafio” foi aceito e no dia 22 de março de 2019 o Chef e mais um instrutor partiram rumo a São Gabriel da Cachoeira, cidade que fica no interior do Amazonas a  mais de 853 Km em linha reta da capital Manaus. Essa distância se torna ainda maior,uma vez que o meio de transporte é a lancha Ajato, que leva aproximadamente 24 horas para chegar ao destino.

Uma lancha desconfortável, com bancos não reclináveis e que  tem uma cozinha, onde são preparadas todas as refeições durante o trajeto, do tamanho de um banheiro de avião.

Cozinha da Lancha Ajato Tanaka

Uma verdadeira aventura que só é minimizada pelas belas paisagens e a tranquilidade da natureza durante o percurso.

Linda paisagem dos Rios do Amazonas

No percurso, passamos por duas cidades,Barcelos, famosa pelos seus peixes ornamentais, ótima para campeonatos de pesca e a cidade de Santa Izabel, fundada pelos jesuítas e com grande predominância indígena

Crianças ribeirinhas tomando banho no rio
Principal meio de locomoção do interior – voadeira

O primeiro dia dentro dos processos da brigada foi para conhecimento e ambientação básica com a rotina deles, equipamentos e processos utilizados pelos soldados. Dessa forma muitas anotações foram realizadas e as ideias brotavam como água em uma nascente. Nas primeiras horas já observava que seria pouco tempo para tantas melhorias de processos e novas técnicas a serem testadas naquele local.

A programação foi elaborada na rotina da primeira manhã com aulas teóricas à tarde e práticas, junto com a organização do rancho e algumas horas após o mesmo.

Aula teórica do grupo da cozinha

Todos os soldados, sem exceção, ficaram ansiosos por perceberem que com novas técnicas tudo poderia ficar mais fácil e com uma qualidade superior ao que eles estavam acostumados.No segundo dia, as 7:00 da manhã começamos o preparo do almoço para cerca de 500 pessoas, a equipe de cozinheiros e auxiliares tinham crescido em 06 novos membros, pois também vieram soldados do BIS e da Engenharia que ao saberem do curso solicitaram a participação ao General que prontamente permitiu.

Momento pós aula

O prato do dia 23/03 seria um frango frito,sugeri uma mudança para algo mais saudável e com um grau de facilidade maior –  frango no molho de limão com gengibre, assado no forno, pois assim poderíamos fazer os 200 Kg de frango sem precisar de várias fritadeiras, o que tornaria o processo mais rápido e com menos utilização do trabalho humano. O frango foi um sucesso, não só em sabor como também em facilidade.

Chef Marco À Souza utilizando os equipamentos da 2ª Brigada de Infantaria de Selva

Junto com este prato preparamos um Tucunaré recheado, assadona Brasa, um arroz amazônico com Jambu, Tucumã, Tucupi, Castanha do Brasil e Cenoura, prato este que foi degustado pelo General e o Estado Maior da Brigada,além dos soldados da cozinha, claro.

Aula de Peixe na Brasa do Amazonas

No dia 24/03 o prato para os mais de 500 soldados foi uma carne em bife, prato que normalmente era utilizada a frigideira,  neste dia, mais uma vez, pedi para fazer no forno. Temperamos os bifes com uma pasta de vários temperos, deixando a carne com um sabor especial e bem suculenta. Para o prato especial do dia realizamos um escondidinho de macaxeira com Pirarucu defumado, um sabor suave e que eles perceberam como é fácil preparar  pratos saborosos.

Tucunaré recheado assado na brasa

No dia 25/03 o prato foi escolhido pelo responsável da cozinha que sempre quis realizá-lo, mas acreditava que seria difícil fazê-lo para mais de 500 pessoas, mas o desafio foi aceito e fizemos um frango xadrez, com tudo o que tem direito, até mesmo o amendoim para dar aquele toque especial e não podia ser diferente, foi um sucesso! No prato especial do dia fizemos um Tambaqui assado na brasa com pimenta e jambu, este prato ao ser degustado pelo General, foi escolhido para ser servido na mudança de comando que será em abril, quando provavelmente o General Mourão (atual vice-presidente da República) estará presente. Todos ficaram muito felizes, era perceptível no semblante dos soldados um reconhecimento que nunca tiveram. Eu mesmo fiquei surpreso, pois na minha caminhada da cozinha até o hotel, vários oficiais me perguntavam na rua se era eu que estava realizando o treinamento com os cozinheiros e elogiavam a comida. Dentro de mim crescia um orgulho por estar ajudando, de alguma forma, aquelas pessoas.

Mais de 500 soldados almoçando no cassino

Na parte da tarde ainda empolgados com tamanhos elogios,continuamos nossas aulas práticas além do horário combinado, ensinei a confecção de 03 novos bolos e suas técnicas: Nega Maluca com recheio de cocada mole (fazendo um bolo prestigio), Bolo Indiano com recheio de doce de leite e Bolo Paraense com recheio de castanha e ameixa, simultaneamente ensinava também,a confecção de hambúrguer caseiro  pão de hambúrguer, caldo verde e outros pratos que podiam ser feitos de maneira rápida e para grande quantidade, bastando multiplicar a receita.

Aula de confeitaria

No última dia de aula, 26/04, realizamos um prato de peixe para mais de 500 soldados, outro pedido do responsável pela cozinha – Moqueca de Surubim, para deixar o sabor da carne um pouco mais marcante, defumei parte do Surubim e na Moqueca resolvemos dar um toque do sabor Amazônico, colocamos tucupi preto com formiga (muito utilizado em São Gabriel da cachoeira) e Jambu,além daquele toque picante com pimenta Jiquitaia, também de São Gabriel da Cachoeira, fechando assim as aulas com chave de ouro.

Foto das palestras com o grupo da cozinha

A despedida foi emocionante, todos agradeciam, eles diziam que eu tinha ensinado muito para eles, mas eu tenho a certeza de que aprendi muito mais do que ensinei!

Aproveitei para ir até a feira local e experimentar o prato mais tradicional e antigo da região, o “QUINHAPIRA”, um peixe cozido apenas na pimenta regional. Pensei que fosse um prato extremamente picante, porém ao experimentar notei que após segundos de forte ardor, o mesmo sumia deixando o sabor do peixe bem leve, um prato extraordinário pela sua simplicidade no preparo e complexidade no paladar.

Quinhapira em São Gabriel da Cachoeira

Para todos da 2ª Brigada de Infantaria de Selva de São Gabriel da Cachoeira,  Brigada ARARIGBOIA, que protege a cabeça do cachorro, só tenho uma palavra a dizer, SELVA!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *